Turismo Sustentável em Comunidades Indígenas

Quem quiser usufruí-lo, terá de visitá-lo, vivenciá-lo e consumi-lo

Turismo Sustentável nas aldeias indígenas pertencentes à Rede Solidária Popyguá, nos estados do Paraná e Santa Catarina: conheça nossos roteiros e agende uma visita!

Roteiros Disponíveis

mapa da rede

Turismo Sustentável

Segundo a OMT – Organização Mundial do Trabalho o turismo sustentável deve ser aquele que salvaguarda o ambiente e os recursos naturais, garantindo o crescimento econômico da atividade, ou  seja, capaz de satisfazer as necessidades das presentes e futuras gerações.

Portanto, o desenvolvimento turístico deve pautar por “economizar os recursos naturais raros e preciosos, principalmente a água e a energia, e que venham a evitar, na medida do possível a produção de dejetos, deve ser privilegiado e encorajado pelas autoridades públicas nacionais, regionais e locais”. (Artigo 3º Código de Ética – OMT).

O Turismo Sustentável deve acima de tudo buscar a compatibilização entre os anseios dos turistas e os das regiões receptoras, garantindo não somente a proteção do meio ambiente, mas também estimulando o desenvolvimento da atividade em consonância com a sociedade local envolvida.

Possibilidades relacionadas ao turismo

  • O turismo empodera o território. Quem quiser usufruí-lo, terá de visita-lo, vivenciá-lo e consumi-lo.
  • A sua capacidade de transformar o meio ambiente e a cultura locais em bens de valor estratégicos de desenvolvimento.
  • A sua maior dependência dos atores locais, que os empodera e lhes aumenta a sua capacidade de participar nos processos decisórios locais.
  • A natureza intensiva do trabalho que caracteriza a maioria das suas atividades.
  • As possibilidades de trabalho para as pessoas do local como fator de agregação de valor turístico.
  • O estímulo ao empreendedorismo local induzido pela demanda turística no destino receptivo.
  • A participação de organizações das comunidades locais na conservação dos espaços localizados nos atrativos e dos espaços de visitação turística.

Limites Relacionados ao Turismo

As atividades de alguns elos da cadeia do turismo frequentemente se localizam fora do espaço receptivo do destino turístico, tais como, as atividades de captação turística, através de operadoras e agências de viagens emissivas e o transporte aéreo entre os espaços emissivos e os destinos receptivos.

  • O turismo de simples visitação a um atrativo turístico, quase não agrega valor econômico, nem promove, portanto, inclusão social, ao território onde se localiza o atrativo.
  • As características da demanda turística do mercado doméstico, baixo nível médio de renda e falta de hábito de visitar atrativos locais.
  • O baixo nível de organização das comunidades locais, capital social, pode frustrar a sua participação nos processos de preservação dos atrativos turísticos e de outros espaços de visitação turística.
  • Localização, dotação e qualificação dos seus insumos turísticos, competitividade dos seus produtos entre outras, não favorecem, em princípio, a capacidade de inclusão social do turismo.

Turismo em Comunidades Indígenas

O turismo praticado dentro de terras indígenas surge como alternativa econômica viável com possibilidade de gerar benefícios diretos e indiretos para as comunidades envolvidas, mas também como um instrumento de valorização cultural, pois é a diversidade cultural desses povos.
A presença de nuances étnicas na localidade receptora pode lhe conferir características únicas, aumentando seu poder de atração em relação à demanda. Sendo capazes de levar o visitante para além do óbvio dos produtos turísticos culturais, os grandes ícones, possibilitando uma experiência única, ou diferenciada.

Neste sentido as comunidades que compõem a Rede Solidária Popyguá e que são apoiadas pela Outro Olhar iniciam a mobilização entorno de ações que visam o desenvolvimento do Turismo Sustentável.
A partir de oficinas e atividades realizadas durante o curso Formando em Rede e encontros da Rede Solidária Popyguá desenvolvidos entre 2012 e 2015 surgiram demandas em relação ao desenvolvimento de ações desta natureza.
Sendo assim em março de 2016, foi realizado em parceria com a Associação Shishu e Fundação Interamericana um módulo extra do Formando Em Rede, tendo como temática principal o Turismo Sustentável, abordando principais aspectos, potencialidades e normativas referentes à temática trabalhada e necessária para tal atividade ser desenvolvida em comunidades indígenas. Deste encontro surgiram muitas ideias e a inciativa por parte dos participantes do curso para a organização de “Roteiros Testes”.
Após acordos e ajustes entre os participantes do curso, comunidade e lideranças, os roteiros foram finalizados e estão à disposição dos turistas.